.

.

01/08/2011

Um Sorriso Como Um Dia Iluminado

Um sorriso como um dia
iluminado de sol,
um toque como o sabor
aveludado do vinho,
um desejo incandescente
a preencher o corpo vazio.

A taça deposta das mãos
do bardo se parte
com o sussurro de lábios
belos e prontos a serem
devorados plenos e indecentes.

Como um beija-flor indigente
toca a rosa solitária do jardim
noturno dos sonhos mais
líricos e devassos,
tocarei a estrela das entranhas
iluminadas e sedentas de prazer.

O sorriso se repete como o sol
nasce a cada dia após se
esvair o manto frio da noite
e aquece o corpo ébrio e
entregue do poeta que já
não se encontra mais vazio.

São Gonçalo, 26 de julho de 2011.


Um comentário:

luiz carlos disse...

Sem palavras,para os versos
iluminados,lidos no lapso matutino
de um sábado.