.

.

10/12/2008

Versos a Uma Puta

Ó, insensata e esguia puta!
Estes versos que vos escrevo
abstenho-me fúlgido da luxúria
no quarto escuro e fétido
em que te invadi com pecaminosa doçura.

Ó, infeliz e mal-amada puta!
Te invadi sem ao menos tocar seus lábios sedentos,
no coito frívolo em que o amor não se disputa,
como dois animais pérfidos lamacentos
mergulhados no vício da carne em amargura.

Neste quarto vil e fúnebre em que recebestes
mais marujos e bêbados infelizes do que poetas,
vivestes a eterna dor de se deitar
sem receber os versos de oferta
que de seus olhos despertariam a ternura.


2 comentários:

Quel disse...

ABSOLUTAMENTE LINDO

nada mais posso dizer...

Raquel Donegá

Lollis disse...

Me fez lembrar Bocage... Parabéns...