.

.

26/06/2013

Uma Tarde Qualquer

                       
O céu cai sobre a tarde, azul,
fuligens cinzas de imensidão e medo.
Um homem sem nome atravessa a rua
e os carros seguem os seus caminhos
como os pássaros que rasgam o espaço
ao seu redor. Chá frio sobre a mesa,
não há segredos na saudade.
Chamarei esta tarde de vazia
e consagrarei com cuspe esse nome,
na calçada onde morrem os corações
nas vertigens dos sonhos interrompidos.


São Gonçalo, 26 de junho de 2013. 

Um comentário:

Márcia disse...

Perfeito! chamarei essa tarde de vazia... com a nostalgia dos dias, mornos aquecendo a solidão...

Abraços