.

.

01/05/2011

Entra Maio

Todo dia cai um botão
e fenece na terra árida,
o mel já não é mel
e a chama já não se espalha.
Todo dia parece domingo
e toda lágrima já não seca,
a tristeza invade a alma,
a paz cede à guerra.

O fulgor, o alvorecer,
o gosto do leite com biscoitos,
a dor, o esvaecer.

Todo dia o sol beija a janela
e às vezes se cobre de nuvens escuras.
O copo é porta de saída
do líquido que a alma já não cura.

A chama, enfim, se apaga...

O domingo que nunca anoitece,
o corpo deitado na cama
para sentir o peso das coisas
que esquece... entra maio...

São Gonçalo, 28 de abril de 2011.
.
.

4 comentários:

Janaína da Cunha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Janaína da Cunha disse...

A melhor forma de um poeta exorcizar seus fantasmas é assim... Sentimos as dores mais densamente que qualquer outra pessoa, somos seres à parte.
Quanto mais aguda a dor, mais profundas são as palavras no branco do papel.
Mas não adianta ter o que dizer se o poeta não sabe fazê-lo... e vc sabe poetizar como ninguém.
É sempre bom ler seus versos meu amigo.

Obrigada.
Beijos doces!

Poemista disse...

é ti Rominho
nesse vc me fez chorar como ha muito não havia
mas a causa é boa
qtos nao tem o privilegio de chorar por um bom e belo poema!

abração
Qzuvia hehehe

luiz carlos disse...

Poema que nesta gélida manhã
trouxe iluminuras ao peito
morada de tantas dores.
poema belo,palavras cintilantes