.

.

17/08/2008

Loucuras de Um Pobre Poeta

Quantas e quantas vezes pisado,
cuspido, escarrado, discriminado.
E nem se dão conta das viagens
em que parti no "martelo agalopado".
Eu vi os olhos brilharem no meio da multidão,
vi os dias que se passaram como um raio
e os dias amargos que virão.
Não sou visionário, não sou profeta...
Quem me seguir será apedrejado
nas esquinas turvas do amor e da paixão.

Já provei da maçã do pecado,
já consumi o corpo de Cristo,
no meu templo empoeirado,
fui salvo em um breve momento.
No dia seguinte,
estava eu novamente comendo da maçã...

Quantas e quantas vezes apontado,
tal como louco com idéias loucas,
por não aceitar, assim, o estado das coisas
flutuando diante de meus olhos míopes cansados.
Sou pobre, mas minha fome de vitória, quase nula,
é voraz.
Ha, ha, ha, ha, ha, ha!!!

Eu e meu mocambo de idéias mal formuladas,
mal trabalhadas, incompreendidas
como sombras inacabadas...
O que faço, apenas por fazer,
faço não por mim, não pelo mundo e nem por você.
Faço porque sou louco,
faço porque sou pobre.
Porque os pobres de matéria e de espírito
são ricos nos versos de agouro.

Um comentário:

Lisa Stér Cöy disse...

Todos somos loucos
todos comemos desta maçã,
mas poucos assumem esta loucura,
deixando de desfrutar da melhor parte do pecado!
:D
ps.: eu quero aquela foto!!